* notas:
- O FARANI CINCO TRÊS surgiu através da oficina orientada pelo poeta Chacal, na Biblioteca de Botafogo. Parceria da SMC RJ. Iniciada em Abril de 2011.
- O Farani Cinco Tres participa do projeto FORA DE ÁREA, em parceria com a rede NORTE COMUM, e realização do SESC Rio! As oficinas de jogos poéticos do FORA DE ÁREA acontecem todas as quintas feiras, às 18h30. Na biblioteca do SESC TIJUCA. É de graça, é só chegar. Recomeça em abril de 2013. É só chegar!
- O próximo CEP20000 será na última semana do mês. No Espaço Sérgio Porto [Rua Humaitá, 163 / fundos – 2535 3846]. Sob a coordenação do poeta Chacal, poesia, música, cinema e muito mais. Só vendo, indo, vivendo. O FARANI CINCO TRES também está por lá!

- FARANIS livros!
#JOSE HENRIQUE CALAZANS relançou seu livro, em versão ampliada - com poemas novos: QUEM VAI LER ESSA MERDA? no Sarará, o sarau, que acontece no Spa Cultural PAz, no Catete, dia 12 de outubro - das crianças!
#ALICE SOUTO lançou seu fanzine POESIA AUTO-SUSTENTÁVEL, em versão bilingue, na FLIP2012 em Paraty.
#
FELIZPE FRUTOSE lançou seu FRUTA AFRODISIACA (amostra grátis) no dia 23 de março de 2012! lançamento virtual já com mais de 500 visualizações! PARABÉNS, FELIZPE! Para ler, CLIQue aQui!
#SILVIA CASTRO lançou o seu PRIMEIRO, em dezembro de 2011, também online. Quer ler? CliQue AQui!
#CESAR GOMES
lançou também o seu Livro 22, em novembro de 2011, que pode ser lido AQui!
#ANA SCHLIMOVICH também lançou o seu ANAFENIX, em dezembro de 2011! poemas e fotos de las anas: AqUi!


quarta-feira, 18 de maio de 2011

As cores e o instante

Meu tema é o instante?
Talvez eu nunca tenha te dito
que escureço em música.

Ao escrever não posso me fabricar
como em uma pintura,
assim como se fabrica uma cor.
A desarmonia secreta das cores
são o luxo do meu silêncio;
e assim eu silencio,
de um modo que minha própria palavra
me contradiz.

Procuro a palavra última que,
assim como o primeiro passo,
é o último em direção ao intangível do real.

E se às vezes eu pinto palavras em cavernas
é para que elas se tornem a história do mundo.

Mas o instante acende e apaga,
como versos que surgem sem esforço
e sem motivo.

Nesta nova era das minhas palavras,
o que falo é todo o meu invento
concentrado em uma única confidência:

um astro que nomeia
a única forma de quantificar
tudo aquilo que é sentir
sem possuir.

3 comentários:

MISCELÂNEA EM TABLETES disse...

Que lindo poema! amei o início, o meio e o fim.
Parabéns!!

gisela disse...

sim..belo... muito sensivel.

uma história à margem disse...

dorly, densa logopéia.
beira a prosa, com suas diversas conexões, com seus seis "que". solte mais as imagens que são boas. condense o verso.
não se preocupe em explicar.
conte com a sagacidade do leitor/ouvinte.